Records de Guitarra – Como a teoria musical ajuda a gravar 272 vezes

Todos sabem que, para tocar guitarra, é importante saber teoria musical. Em matéria de música, a guitarra está mais para o rock do que para qualquer outra coisa, pois nesse estilo ela se destaca muito.

Quando a guitarra surgiu?

exemplo de guitarraA guitarra surgiu pela década de 90, quando algumas bandas musicais necessitavam de um instrumento que conferisse um “peso” na música. Na época, o som “fraco” ou “sem sal” dos violões não traduzia o sentimento que as bandas jovens tentavam repassar. Existia a necessidade de se fazer uma ligação maior entre a letra e o sentimento da música. Com essa motivação, os engenheiros e inventores do ramo da eletricidade criaram a primeira guitarra. Há boatos de que durante a briga das maiores marcas de guitarra (Fender e Gibson), um brasileiro conhecido como Dodô colaborou com sua invenção (o pau elétrico). De qualquer forma, tendo ou não brasileiros nesse contexto, o fato é que as guitarras ganharam cada vez mais destaque no meio musical. Não só por que as bandas agora tinham um instrumento que expressasse o sentimento que eles queriam, mas porque a guitarra se mostrou útil para muitas outras coisas. Com ela, era possível de se fazer arranjos harmônicos e melódicos, ou seja, era possível fazer as bases para as músicas (tocando acordes, power chords, ou qualquer outra variação ou arranjo com duas ou mais notas), e também era possível fazer solos (uma nota soando de cada vez), o que representa a melodia.

E foi muito além dos acordes e da potência da distorção (som que revolucionou o mundo da música e permitiu a criação do rock, do metal, etc.) que a guitarra ganhou visibilidade. Ela começou a ser cobiçada pelos estudantes de música principalmente pela sua capacidade de produzir solos.

Os solos de guitarra

Os solos são, sem dúvida, os maiores motivadores para os iniciantes desse instrumento. E não é à toa, afinal a guitarra, que possui as mesmas 6 cordas que o violão, permite uma desenvoltura muito grande na criação de solos, pois o violão está restrito a 12 casas (você não consegue solar depois disso pois fica muito difícil ter acesso às outras casas), enquanto na guitarra você pode trabalhar com 22, 23 ou até 24 casas. Veja abaixo um exemplo de um grande solo de guitarra (de um guitarrista muito consagrado nesse ramo, chamado Joe Satriani):

Além disso, a guitarra possui um braço muito menor do que o do violão, o que torna mais fácil o manuseio nesse instrumento. A maneira como é construído o braço e as demais partes também facilita o toque, deixando-o macio e facilitando a velocidade.

A teoria musical aplicada ao instrumento

E onde a teoria musical entra nessa história toda? Bom, em tudo! Isso mesmo, a teoria musical pode ser aplicada a todos os conceitos que envolvem a guitarra, desde a parte harmônica até a melódica. Afinal, para saber improvisar e se portar diante das músicas, ou ainda compor e ser útil nas gravações e nos arranjos, o conhecimento em teoria musical é muito útil! Mas como aprender essa teoria? O jeito mais comum é tendo uma apostila de teoria musical em pdf, pois isso facilita o seu estudo (não é preciso ficar consultando a internet toda vez que você tiver alguma dúvida. A própria apostila já soluciona o seu problema.

Nós recomendamos muito que você conheça o site Descomplicando a Música, pois eles explicam teoria musical de uma maneira muito inovadora e única. Já se foi (graças a Deus) o tempo em que teoria musical era um assunto chato e enfadonho. Agora é possível aprender com humor, descontração e, principalmente: didática!

Isso é o que faltava nos livros sobre música, e agora não falta mais com essa equipe extraordinária.

A redação que torna sua composição mais bonita

fazer uma redaçãoA redação de uma composição pode ser definida como o texto que originou a letra principal.

Em algum momento, a letra pode vir. A inspiração também. A frase que faltava para concluir sua composição chegou, então você corre para escrever em algum local antes de perdê-la.

Podemos deduzir dessa forma que a inspiração vem pelo acaso, pelo tema da música que você quer fazer. Mesmo que você não saiba tocar guitarra, ou nenhum outro instrumento, você será capaz de fazer isso.

Não necessariamente você estará pensando em compor no momento que a letra vem à sua mente. Pode ocorrer tudo por acaso nesse processo. Observe o exemplo abaixo:

Seu amigo está triste, dizendo que sua namorada lhe deixou. O sujeito está mal das pernas, pois o grande amor da vida dele se foi. O que você faz? Certamente escutará seu companheiro e dará aquele tapinha nas costas do brother. Pode dizer também algumas palavras de consolo, um conselho e tudo o mais. Agora, com os olhos de um compositor, você já vai guardando lá no fundo do cérebro alguns detalhes de ideias. Ideias essas que podem ser usadas na próxima música.

O primeiro texto

Pronto, houve uma situação real para o texto, uma situação que criou uma inspiração textual. O resto vai ser provocado no processo de criação da redação.

Parece fácil esse processo, mas não é. Seu nível de musicalidade é que irá definir o resultado final da composição. Não é preciso ser um gênio da música para deslanchar nas composições, mas saber escrever bem é muito importante!

Muitas crianças, por exemplo, em brincadeiras e disputas às vezes zombam da outra criança, cantando uma frase, em vez de simplesmente falar a frase de provocação. Você já deve ter feito e visto algo desse tipo. Isso não deixa de ser uma redação de música.

Quem não tem conhecimento em teoria musical também pode (e deve) compor. Nem que seja somente a letra. Mas claro que é possível fazer a melodia junto, usando um pouco da imaginação. Pense numa redação curta e, em vez de falar a frase, tente cantá-la. Com um pouco de prática, você irá escrever a letra e a melodia simultaneamente.

Se gostou desse processo, compartilhe!

Desconto em lojas de música

Quem gosta de tocar guitarra, violão, piano, teclado, baixo, saxofone, bateria, ou qualquer outro instrumento caro (na realidade, a grande maioria dos instrumentos musicais são caros, especialmente os bons) gostaria de comprar instrumentos por um preço mais acessível. Isso é possível por meio de um desconto na hora de comprar.

Como encontrar um bom desconto na prática?

Um bom desconto pode ser encontrado quando você pesquisa em sites de descontos, como o Desconto Local. Esse site tem como objetivo permitir a divulgação das empresas pequenas e médias, ou seja, aquelas empresas que não têm muito dinheiro para investir/ gastar com publicidade.

Dessa forma, você pode imaginar que as lojas de instrumentos de sua cidade podem mostrar as ofertas especiais que eles têm nesse site, permitindo que você compre um instrumento com desconto (que é o seu objetivo).

Testar é sempre bom

Não esqueça, é claro, de testar o instrumento para ver se realmente funciona ou se ele atende às suas expectativas, afinal, instrumentos baratos nem sempre são bons. Muitas vezes, a loja está tentando se desfazer de um estoque que não vingou, ou seja, está reduzindo o preço para atrair compradores a um instrumento que não despertou o interesse dos clientes até então. Você precisa se perguntar:

– Qual foi o motivo de ninguém ter se interessado por esse equipamento antes?

– Será que esse preço está justo?

– Existe algum defeito no instrumento?

Caso você constate que não há nada errado, pode ficar tranquilo pois a promoção é autêntica, ou seja, a loja provavelmente fez esse preço especial para permitir que os músicos conheçam a loja e vejam os equipamentos disponíveis que eles têm à venda. Não significa necessariamente que há algo errado.

Conclusão

Não crie um preconceito sobre um desconto, avalie, analise, e tire suas próprias conclusões pessoalmente ao tocar no equipamento antes de analisá-lo simplesmente pelo preço.